Governo do Paraná lança cartilhas de educação ambiental sobre fauna e turismo ecológico

O Governo do Paraná lançou nesta segunda-feira (23) uma série de cartilhas educativas com assuntos relacionados à fauna. O material tem o objetivo de promover a educação ambiental e foi elaborado de maneira lúdica ao público infantojuvenil. As cartilhas são disponibilizadas pela Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest) e o Instituto Água e Terra (IAT), disponíveis para consulta neste site.

O lançamento do material se dá em alusão ao Dia Mundial da Biodiversidade, celebrado neste domingo (22). A data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) com o intuito de conscientizar a população sobre a necessidade da preservação dos fatores biológicos existentes em todos os ecossistemas. Ao todo, são oito cartilhas que oferecem histórias da personagem chamada Mila, uma garotinha que adora animais e vive inúmeras aventuras com eles.

Os temas foram divididos em fauna urbana, fauna vitimada, animais de companhia, animais da fazenda, fauna ameaçada de extinção, fauna marinha, abelhas nativas sem ferrão e turismo ecológico. Com explicações simples, o material educativo pode servir de ferramenta para explicar, desde as crianças, sobre a importância da conservação da fauna e do meio ambiente. Ao final das histórias, cada cartilha apresenta, também, uma atividade para estimular a criatividade dos leitores.

“Ensinar sobre o meio ambiente às gerações que estão em sala de aula permite que as crianças ajudem na preservação da biodiversidade e se sensibilizem para que, quando crescerem, sejam protagonistas na garantia de um futuro sustentável”, destaca o secretário da Sedest, Everton Souza.

BIODIVERSIDADE – Entende-se por biodiversidade o conjunto de todas as espécies de seres vivos existentes na biosfera. Desde 2019, a manutenção da biodiversidade regional do Paraná se destaca com ações e programas realizados em conjunto com os municípios.

Um exemplo é o ICMS Ecológico, que repassa recursos financeiros aos municípios que abrigam em seus territórios Unidades de Conservação ou áreas protegidas. Também recebem ICMS Ecológico os municípios cujos mananciais para abastecimento se encontram em cidades vizinhas.

Ao longo de 30 anos, mais de R$ 7 bilhões foram destinados a 262 municípios. Outra maneira de promover a manutenção da biodiversidade é o plantio de árvores nativas, dentro do programa Paraná Mais Verde, em que mais de 5,5 milhões de mudas já foram distribuídas desde 2019.

A construção de Parques Urbanos também se caracteriza como um importante instrumento para manutenção da biodiversidade, já que protege os rios de problemas causados pela erosão, assim como a construção de galerias pluviais. Evitar que a erosão chegue aos corpos hídricos protege toda a forma de vida existente ao redor. O Paraná possui 63 Parques Urbanos em construção, com recursos na ordem de R$ 72 bilhões.

Já na proteção à fauna, o Governo do Estado contribuiu, desde 2019, para a criação de cinco Centros de Atendimento à Fauna Silvestre (Cafs) e um Centro de Triagem e Atendimento à Fauna Silvestre (Cetas). Para garantir a proteção ao meio ambiente com o importante papel das abelhas, que realizam a polinização e ajudam a manter a biodiversidade, o Poliniza Paraná incentiva a criação de abelhas nativas sem ferrão dentro das estruturas dos Parques Urbanos.

PIONEIRISMO – Em 1907, o Paraná foi o primeiro Estado do país a constituir seu Código Florestal, garantindo a legalidade em defesa da biodiversidade. A Lei Estadual nº 706/07 inovou ao determinar que as “florestas protetoras”, ou áreas de mata nativa que deveriam ser preservadas, eram consideradas “utilidade pública” para o Estado. Dessa forma, a política florestal condicionava a exploração madeireira ao posterior replantio de árvores, como forma de proteger o solo e a biodiversidade regional.

“Sabemos que as florestas ajudam a conservar as águas, a evitar a erosão do solo e servem como habitat natural de inúmeras espécies da nossa fauna. O Paraná foi pioneiro ao ter uma legislação ambiental que reconhecesse que, para além da exploração madeireira voltada ao lucro, as florestas também eram importantes para o meio ambiente”, disse o diretor-presidente do IAT, José Volnei Bisognin.

By Agência de Notícias do Estado do Paraná